Trump mantém paralisação parcial do governo até acordo sobre muro

Sem um acordo para resolver o impasse a paralisação deve se prolongar até o ano que vem

Trump mantém paralisação parcial do governo até acordo sobre muro
Notícias ao Minuto Brasil

HÁ 14 HORAS POR NOTÍCIAS AO MINUTO

MUNDO EUA


Opresidente dos EUA, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira (25) que a paralisação parcial do governo federal será mantida até que a sua exigência do financiamento para a construção do muro na fronteira com o México seja cumprida.

O governo norte-americano foi parcialmente paralisado no sábado (22), e não existem indicações da reabertura das agências políticas que foram fechadas pelo impasse gerado com a demanda de Trump.

"Eu posso dizer que não vai reabrir até que tenhamos um muro, uma cerca, o que você quiser chamá-lo", acrescentou o presidente.

Sem um acordo para resolver o impasse a paralisação deve se prolongar até o ano que vem. O financiamento para um quarto dos programas federais incluindo o Departamentos de Segurança Nacional, Justiça e Agricultura, expirou à meia-noite da sexta-feira (21).

A construção do muro foi uma das promessas de campanha do governo Trump, o partido democrata (oposição de Trump nos EUA) se opôs firmemente a proposta. 

O governo dos EUA iniciou o fechamento parcial por falta de fundos, após o Congresso não ter chegado a um acordo orçamentário para as exigências do presidente Donald Trump a respeito do muro da fronteira com o México. Este é o terceiro fechamento administrativo que Trump enfrenta em 2018.

A paralisação ocorre porque o financiamento de algumas agências do governo federal venceu. Elas tem que fechar e deixar seus funcionários tecnicamente sem trabalho. Segundo a Reuters, alguns funcionários podem ficar sem pagamento ao Natal.

A paralisação parcial afeta os departamentos de Segurança Interna, Justiça e Agricultura. Com a falta de orçamento, vários ministérios e agências governamentais fecharam na manhã de sábado (22), o que deixou 400 mil funcionários públicos em licença não remunerada. Outros 400 mil, que trabalham em serviços considerados essenciais (alfândega, segurança aeroportuária, inspeção de saúde, entre outros), são obrigados a trabalhar sem receber salário, em um momento importante das festas de fim de ano.


Categoria:MUNDO

Deixe seu Comentário