Guarujá verde e azul: as duas primeiras Eco-Escolas Públicas do Brasil

Finalmente, depois de quase uma década, Guarujá conseguiu ampliar seu espectro dentro daquilo que chamamos de certificação ambiental. Por nove anos consecutivos, somos a única Praia Bandeira Azul do Estado de São Paulo (Praia do Tombo), a única praia do programa em região urbana e, num momento de enorme escassez financeira, ainda assim é a única do Brasil mantida por uma Prefeitura.

 

Contudo, no início deste ano as secretarias de Educação, Esporte e Lazer e de Meio Ambiente, num esforço conjunto, entenderam que era necessário ir além, que o exemplo de governança ambiental mantido no Tombo deveria adentrar nas comunidades. E, para isso, deveria ser utilizada a ferramenta de transformação mais eficaz da história da humanidade: A EDUCAÇÃO.

 

Escolhemos duas equipes de abnegados, duas escolas encravadas em comunidades que retratam nossa gente e, levando a cabo um slogan que ecoou durante as eleições de 2016 (Cuidar da Cidade e das Pessoas), ambas secretarias se dedicaram durante seis meses para conquistar a Bandeira Verde para as escolas Ary da Silva Souza, no Jardim Mar e Céu/Guarujá; e Lúcia Flora dos Santos, no Jardim Progresso/Vicente de Carvalho.

 

Não, não foi fácil! O Programa Eco-Escola pressupõe um desafio bastante complexo, algo que mistura governança ambiental (cogestão) e gestão ambiental (planejamento e revisão constante), retratado em sete etapas: 1- conselho Eco-Escolas; 2- diagnóstico ambiental; 3- plano de ação; 4- monitoria e avaliação; 5- inserção curricular. 6- informação e envolvimento e 7- Eco código.

 

A seriedade e cobrança contínua do agente certificador se revela na recente notícia de que o Programa Eco-Escola foi escolhido como um dos programas mais inovadores do mundo, no viés sustentabilidade, pela Ong finlandesa Hundred. Ademais, tal certificação é concedida pela FEE (Foundation for Environmental Education), presente em 58 países, com aproximadamente 4.400 escolas inscritas e com 2,6 milhões de alunos pelo mundo - no Brasil representada pelo Instituto Ambientes e Rede (IAR).

 

Como não poderia ser diferente, após as certificações ouvimos atentamente todos envolvidos no Programa nas duas escolas, aflorando como ponto negativo uma certa resistência inicial da comunidade escolar. Mas no desenrolar, o olhar desconfiado se transformou em motivação, e ambas as comunidades se envolveram e dialogaram o importante tema ‘resíduos sólidos’.

 

Por fim, mais do que garantir aos estudantes os direitos referendados na Lei 9795/99 e nas normativas da Base Nacional Comum Curricular,  o Eco-Escolas vem garantir cidadãos autônomos, críticos,  éticos e com consciência  ecológica para perpetuar as importantes  conquistas ambientais na cidade de Guarujá (SP).

Que venha 2019 e, não temos dúvida, saltaremos de duas para cinco Eco-Escolas em nossa cidade. Parabéns comunidades do Jardim Mar e Céu e Jardim Progresso, vocês entraram no mapa mundial como exemplo de Educação Pública de qualidade!

 

Renato Marcelo Pietropaolo

Vice-prefeito e secretário de Educação, Esportes e Lazer de Guarujá

 

Sidnei Aranha

Secretário de Meio de Ambiente de Guarujá

Categoria:GUARUJÁ

Deixe seu Comentário